TRANSPARÊNCIA

Acompanhe aqui os dados sobre as receitas, despesas e licitações com a COVID-19

VACINÔMETRO

1ª DOSE

2ª DOSE

DOSE ÚNICA (JANSSEN)

TOTAL DE DOSES APLICADAS

Dados atualizados dia 02/08/2021.

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A VACINA

Ambas as vacinas atualmente disponíveis no Brasil — a CoronaVac e a AstraZeneca — são administradas por via intramuscular, no músculo deltoide, em duas doses. No caso da primeira, o intervalo entre as doses é de 02 a 04 semanas. Na segunda, de 12 semanas.

Caso o indivíduo não possa receber a vacina no braço, ela poderá ser inoculada “no vasto lateral da coxa”.

“Outra área alternativa para a administração será a ventroglútea, devendo ser utilizada por profissionais capacitados”, diz o Ministério da Saúde.

As próximas fases de imunizações serão divulgadas aqui neste portal conforme o recebimento dos novos lotes de vacinas. Fique atento e acompanhe também as redes sociais da Pefeitura de Pombal!

Sim, ela é disponibilizada pelos SUS sem custos.

Não. Mas para garantir um atendimento mais rápido nos locais de vacinação e evitar a formação de aglomerações, é necessário seguir as instruções para cadastro neste site.

Se achar necessário, clique AQUI para ver qual grupo estamos vacinando e ficar atento às instruções de vacinação.

A Pefeitura vai avisar os próximos grupos a serem vacinados.

Fique de olho nos informes divulgados pela Prefeitura nas mídias sociais e neste site.

A vacinação vai ocorrer nas unidades de saúde de Pombal. Em casos de pessoas impossibilitadas a locomoverem, a Prefeitura de Pombal por meio do Programa Saúde em Casa irá vacinar em suas residências, mas lembrem-se: a Pefeitura vai anunciar em suas mídias sociais e neste portal quando chegar a idade de cada grupo. Ok?

Não, pois a vacina não contém o vírus vivo.

Sim. Para quem tiver hipersensibilidade ao princípio ativo ou a qualquer dos excipientes da vacina e para quem apresentou uma reação anafilática confirmada a uma dose anterior de uma vacina contra a covid-19.

Não. “Considerando a ausência de estudos de coadministração, neste momento não se recomenda a administração simultânea das vacinas COVID-19 com outras vacinas”, diz o Ministério da Saúde.
O órgão recomenda que o intervalo de tempo mínimo para isso seja de 14 dias.
“Preconiza-se um intervalo mínimo de 14 dias entre as vacinas covid-19 e as diferentes vacinas do Calendário Nacional de Vacinação”, acrescenta o órgão.
Há estudos em andamento para aferir a eficácia e a segurança de pessoas que tomam vacinas diferentes, mas até agora não há nenhum dado conclusivo sobre isso.

Em dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Estado pode determinar a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19.
Mas o uso da força para exigir a vacinação está proibido, ainda que possam ser aplicadas restrições a direitos de quem recusar a imunização.
Essa obrigatoriedade poderá ser determinada pelo governo federal, estados ou municípios. As penalidades a quem não cumprir a obrigação deverão ser definidas em lei.
Na prática, no entanto, as vacinas no Brasil já são praticamente obrigatórias, pois a apresentação da caderneta de vacinação em dia é exigida para matrículas em escolas públicas, concursos públicos e Bolsa Família.

Você deve tomá-la assim que possível.

“Caso haja alguma ocorrência que impeça o indivíduo de retornar no prazo determinado, orienta-se tomar a 2ª dose para completar o esquema”, diz o Ministério da Saúde.

Como todo medicamento, as vacinas também podem causar efeitos colaterais.
A maioria deles é leve e de curto prazo, e nem todo mundo apresenta esses sintomas.
Apesar disso, mesmo se você tiver sintomas após a primeira dose, ainda precisará receber a segunda dose.
Entre os efeitos colaterais mais comuns, estão:
– sensação dolorosa no braço em que você recebeu a vacina. Essa dor tende a ser pior em torno de 1 a 2 dias após a vacina
– cansaço
– dor de cabeça
– dores gerais ou sintomas leves de gripe
Embora a sensação de febre não seja incomum por 2 a 3 dias, febre alta é incomum e pode indicar que você tem covid-19 ou outra infecção.
Se seus sintomas piorarem, fale com seu médico.

Sim. “Não há evidências até o momento de qualquer preocupação de segurança na vacinação de indivíduos com história anterior de infecção ou com anticorpo detectável pelo SARS-COV-2”, diz o Ministério da Saúde.

Se você está com sintomas leves de covid-19, você deve se isolar e não sair de casa, pois corre o risco de infectar outras pessoas. Em caso de sintomas graves, deve buscar ajuda médica.
Mas, segundo o Ministério da Saúde, “é improvável que a vacinação de indivíduos infectados (em período de incubação) ou assintomáticos tenha um efeito prejudicial sobre a doença”.
Apesar disso, o órgão recomenda o adiamento da vacinação “nas pessoas com quadro sugestivo de infecção em atividade para se evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais”.
“Como a piora clínica pode ocorrer até duas semanas após a infecção, idealmente a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas”, diz o órgão.

Depende. O Ministério da Saúde recomenda o adiamento da vacinação “diante de doenças agudas febris moderadas ou graves”, até a resolução do quadro.
Essa regra vale para todas as vacinas, não apenas a da covid-19.

Sim, mas o Ministério da Saúde adverte que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica.
Segundo a pasta, “a eficácia e segurança das vacinas COVID-19 não foram avaliadas nesta população”.
“No entanto, considerando as plataformas em questão (vetor viral não replicante e vírus inativado) é improvável que exista risco aumentado de eventos adversos”, diz o órgão.
“O risco benefício e a decisão referente à vacinação ou não deverá ser realizada pelo paciente em conjunto com o médico assistente, sendo que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica”, acrescenta a pasta.

A segurança e eficácia das vacinas não foram avaliadas nos grupos de gestantes, puérperas e lactantes. Mas estudos em animais não demonstraram risco de malformações.
O Ministério da Saúde faz uma advertência, no entanto, às mulheres que pertençam a um dos grupos prioritários mencionados no início desta reportagem.
“Para as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições, a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e o médico prescritor”, diz o órgão.

Boletim Epidemiológico

Notícias e Atualizações

Acompanhe as últimas notícias direto do portal da prefeitura de Pombal

Perguntas frequentes

Tire suas dúvidas sobre o vírus

As medidas que a população é recomendada a seguir em um momento de pandemia são as individuais, nas quais as pessoas devem se manter mais tempo em casa e evitar lugares de grande aglomeração. Esta recomendação serve para frear a cadeia de transmissão da doença. Outros cuidados são as medidas de proteção conjunta que consistem na higiene das mãos, das superfícies (maçanetas das portas, objetos compartilhados, mesas, utensílios) e na etiqueta respiratória para evitar repassar gotículas a frente.

Em caso de febre associada a outros sintomas como tosse, coriza, espirros, e leve indisposição para as atividades de rotina devem permanecer em casa até a melhora do quadro clínico, ou procurar uma unidade básica de saúde para avaliação médica. Em caso de dúvidas, a Secretaria de Estado da Saúde disponibiliza os seguintes números: ... Hospital Clementino Fraga; O hospital deve ser buscado apenas nos casos graves, ou seja, por pacientes que apresentam sintomas como falta de ar.
É importante lembrar que há também um aumento do números de casos de outros vírus respiratórios como o influenza, que possui sintomatologia semelhante.

Período de incubação é o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias.

Ainda não existe um medicamento específico de ação direta para tratar o coronavírus. A indicação é de repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:
Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse.
Pacientes doentes e com sintomas gripais tomam medicamentos que já fizeram uso em situação semelhante (paracetamol ou dipirona). Lembrando que é necessário ter muito cuidado com o uso de medicamentos, não é indicado o uso de antiinflamatórios (em especial o ibuprofeno) e de corticóides, que podem diminuir a imunidade do paciente e façam com que ele sofra ainda mais com a presença do vírus.

Para evitar a proliferação do vírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar bem as mãos (dedos, unhas, punho, palma e dorso) com água e sabão, e, de preferência, utilizar toalhas de papel para secá-las. A limpeza de objetos ( telefones, teclados, cadeiras, maçanetas) também é indicada e pode ser feita através do álcool em gel. Para a limpeza doméstica recomenda-se a utilização dos produtos usuais, dando preferência para o uso da água sanitária.

Veja mais

Decretos Emergênciais

Transmissão

A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo, por meio de:

Aperto de mão (Principal forma de contágio)

Gotículas de saliva

Espirro

Tosse

Catarro

Objetos ou superfícies contaminadas, com celulares, mesas, maçanetas, brinquedos, teclados de computador, etc.

Sintomas

Sinais e sintomas clínicos são principalmente respiratórios, semelhantes aos de um resfriado comum

Os sintomas mais comuns são febre e tosse ou dificudade para respirar

Como se proteger

Principal recomendação é higienizar as mãos. São cuidados simples, mas
importantes e que devem ser frequentes para prevenir doenças contagiosas

Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%.

Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com braço, e não com as mãos.

Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Ao tocar, lave sempre as mãos como já indicado.

Matenha uma distância mínima de cerca de 2 metros de qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando.

Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento amigável sem contato físico, mas sempre com um sorriso no rosto.

Higienize com frequência o celular e os brinquedos das crianças.

Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.

Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.

Evite circulação desnecessária nas ruas. Se puder, fique em casa. Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, e fique em casa até melhorar.

Durma bem e tenha uma alimentação saudável.

Mapa dos Casos Relatados

Veja os casos de COVID-19 pelo mundo

Fonte: www.bing.com/covid

Prefeitura municipal de pombal

Praça Monsenhor Valeriano, 15 - Centro - Pombal-PB
CEP: 58840-000 - Telefone: 83 3431-2229 | 3431-2204